The Courettes e Bat Patrol agitam Sumaré (SP) - Programação 2017














Foto | Popshit Film

O duo The Courettes se apresenta no próximo domingo (24/09) em Sumaré/SP, junto ao Bat Patrol, trio de twist punk da cidade de Campinas/SP.

Formado pelo casal Flávia Couri (Autoramas) e o dinamarquês Martin Wild (Columbian Neckties), os Courettes vivem na cidade de Aalborg/Dinamarca, e já percorreram por diversas cidades da Europa, levando seu fantástico som dançante e energético!

Contando com excelentes lançamentos, e dispondo dos serviços de produtores como Kim Kix (PowerSolo) e Liam Watson (que já trabalhou com uma enormidade de artistas: Tame Impala, The White Stripes, Madness, The Kills, Thee Headcoatees, Reverend Beat-Man, Uncle Acid & the Deadbeats e muitos outros) eles aportaram no Brasil para apresentações nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Uberlândia, Uberaba, e Sumaré.

                                                                        Foto | Anders Hede

Com o apoio do selo Sounds of Subterranea e da Wildstone Productions, eles fazem um de seus últimos shows pelo Brasil na HEUZ, um coletivo que vem se destacando pela qualidade na prestação de serviços, além da realização de eventos musicais e culturais relevantes, como shows de rock, hip hop, música eletrônica e exposições de artistas regionais.

HEUZ 
Ingresso: 10$
Horario: 16h
Endereço: Praça da República, 112 - Sumaré/SP
Fone: (19) 3883-2100
https://www.heuz.com.br






0 comentários:

Postar um comentário

Dead Cross: Disco, clipe, estreia ao vivo, banda presa pela polícia e Patton envolvido em acidente



DEAD CROSS o novo projeto de Dave Lombardo (ex-Slayer, Suicidal Tendencies, Misfits), com Mike Patton (Faith no More), o guitarrista Mike Crain (Retox) e o baixista Justin Pearson (The Locust) teve uma mês de agosto bem agitado. A banda lançou seu álbum de estreia dia 04 de Agosto, um excelente álbum de hardcore-thrash-crossover, curto, rápido e visceral.  Pouco antes do álbum a banda lançou o vídeo oficial para a faixa Obedience school (uma das melhores do disco)


Com o álbum lançado os caras iniciaram na mesma semana sua turnê que vai até o fim de Setembro tocando musicas novas feitas nos primeiros ensaios para aumentar o tempo de show, já que o disco só possui 28 minutos de pancadaria. Ao chegar no Texas, a banda foi detida por um dia pela polícia, não se sabe o motivo, mas segundo post no instagram da banda eles foram aconselhados por seus advogados a não comentar o ocorrido e tudo segue sem explicação (vide foto abaixo).


Apesar de possuir um futuro incerto, já que esse é apenas um dos inúmeros projetos dos músicos envolvidos, o sucesso do lançamento do Dead Cross é excelente para uma possível continuidade do projeto. Segue abaixo disco completo para audição e os primeiros shows desse mês. 





Enquanto escrevíamos essa matéria, a banda cancelou um show (ontem dia 21/08) em Los Angeles por que Mike Patton sofreu um acidente enquanto estava a caminho do show, segundo a banda não foi nada de grave, mas o vocalista se machucou e por isso a banda não poderia tocar. Veja no link abaixo pronunciamento da banda. 




0 comentários:

Postar um comentário

A Outra Banda Da Lua: ouça 'Mês De Cores Na Avenida' (feat. Orquestra Catrumana Do Groove Solto)


A Outra Banda da Lua faz uma mistura interessante de musica popular brasileira com rock psicodélico e possui fortes influências da Tropicália, Gal Costa, Jorge Ben, Jorge Mautner, Raízes, Novos Baianos, Tom Zé entre outros. 

No último dia 31 de Julho a banda lançou seu primeiro single oficial 'Serra do Mel', que esta sendo muito bem recebido e para homenagear as Festas de Agosto, Festa regional tradicional de Montes claros MG (para saber mais clique Aqui) no dia 17 de agosto a banda liberou a nova 'Mês de Cores na Avenida' com a participação da Orquestra Catrumana Do Groove Solto.

A banda realizou três shows durante os dias de festividade das Festas de Agosto entre 17/08 e 20/08. Confira as duas faixas abaixo:






0 comentários:

Postar um comentário

Calli Ed lança EP Astral Hell e libera para download gratuito


Calli Ed projeto criado para alocar as composições do Musico/guitarrista e baterista João ribeiro libera seu segundo EP. O Astral Hell vem com uma abordagem experimental fazendo alusão conceitual aos 6 primeiros signos da Astrologia com melodias viscerais e tocantes, pra quem aprecia música instrumental. O terceiro EP esta em fase de finalização e outras composições podem ser baixadas também gratuitamente no bandcamp do projeto (clicando em Buy Now e colocando '0' (zero) reais). 




0 comentários:

Postar um comentário

Bill Sandre: entrevista em vídeo com o vocalista do Adrede, UNITE

Em nossa primeira entrevista em vídeo, nós conversamos com Bill Sandre Silveira, o novo vocalista do Adrede. Nesse vídeo, dividido em duas partes, Bill responde algumas perguntas enviadas pelo MPM. Entre diversos assuntos Bill fala sobre sua entrada no Adrede, a gravação do novo disco com Caio Ribeiro, sobre o UNITE, uma parceira com Eugene Mantulin ex-baterista do Jinjer, sobre canto, fisiologia e antropofisiologia vocal, além de sua tentativa de audição para o Scar The Martyr (banda do Joey Jordison/ex-Slipknot).

Confira os videos e conheça seu trabalho na sequencia:


0 comentários:

Postar um comentário

O Hip-Hop sombrio e expressivo de Ramon Satya



De sobrancelhas arqueadas, olhar profundo e lábios levantados, o menino anda como se não tivesse destino.

Ele tem 19 anos, mas desde cedo entrou na música, faz rimas, beats, canta rap. Seu nome é Ramon Rodrigues, mais conhecido como Ramon Satya. Sua música é a expressão daquilo que não aceitamos na sociedade e que reprimimos em nós (escute flores e águas salgadas para entender) também uma espécie de melancolia nostálgica quando se trata de melodia, dá para definir em inúmeras sensações.

O Ramon é meio quieto e parado, mas quem olha pensa que o menino é quieto do coração, pois se engana quem ouve sua música. É cheia de expressão, cada beat é um sentimento diferente, talvez os olhos profundos de Ramon seja um pouco da expressividade que possui naquilo que sua arte carrega, ou seja: os olhos do menino são as janelas da sua arte e coração.


0 comentários:

Postar um comentário

ENGL Reaper: Pedal de distorção agora é vendido no Brasil

Os excelentes pedais da Engl, agora podem ser encontrados no Brasil justamente com uma gama de outros produtos, a importadora wormex é que se encarrega de trazer essas novidades para o país. Infelizmente os preços ainda são exorbitantes possivelmente pela alta taxa de impostos, mas já é uma esperança. 

O Reaper tem o timbre dos cabeçotes da Engl e um super ganho. confere ai:     



0 comentários:

Postar um comentário

Lobão: Resume a cena dos anos 80 e fala sobre heavy metal, Herbert viana, Cazuza e Chico Buarque


Lobão esta divulgando seu novo livro, o Guia politicamente incorreto dos anos 80 pelo Rock, em sua passagem pelo programa da rádio da Jovem Pan, o cantor falou sobre diversos assuntos abordados no livro e recontou com detalhes vários fatos que contribuíram para a construção do Rock brasileiro nos anos 80. É uma entrevista legal para quem curte a história do rock nacional, ele aborda desde o prog dos anos 70 até o fim do anos 90. 



E o site UOL Publicou trechos de seus livro que podem ser lidos abaixo. 


Sobre Marina Lima:

Me apaixonei pela voz e pela música da Marina. Como se isso não bastasse, um par de anos mais tarde, eu viria a fazer parte de sua banda, acompanhá-la em turnês por todo o Brasil, me apaixonar de verdade por ela (...) Marininha, musa gay, acabou por namorar a baianada top de linha daquele momento. Quando a conheci, estava de romance com a Maria Bethânia (que Deus a perdoe!). Na verdade, Marina, a despeito de seu imenso talento musical, começou sua carreira com aquele famoso beneplácito do coronelato baiano, vindo corajosamente a se tornar independente dele anos mais tarde, ao abraçar o rock, e a ser um dos principais ícones dos anos 80.

Sobre Maria Bethânia:

Nada pessoal, mas acredito que Maria Bethânia seja uma das aberrações artísticas mais insuportáveis geradas pela música nativa. Ela faz parte daquele fenômeno típico, quando alguém, por ser esquisito, torna-se miseravelmente confundido com algo genial.

Sobre Heavy Metal:

É necessário ressaltar aqui que, com a exceção do Sepultura, acho a estética metal um tanto vascaína, circense e monotemática para meu gosto. (Acho um pouco repetitivo esse papo de satã, morte, inferno, apocalipse, pragas epidêmicas, sem falar naqueles cantores dando aqueles falsetes terríveis, parecendo empalados por um imenso caralho enterrado na bunda.)

Sobre Herbert Vianna:

Para completar minha inédita perplexidade, percebo que Herbert, com a envergadura de um verdadeiro Zelig nativo, grava seu vocal com os mesmos maneirismos que eu usara para cantar no Cena de cinema! “Caralho!”, exclamei a concluir ludibriado, “é a música do Guto!” É o título chupado do meu disco, olha só a lambreta, e aquela ali é a porra da minha voz! Esse merda chupou a minha alma! Fraude! Fraude!” Há quem afirme que sou louco, que são apenas pequenas coincidências e a minha indignação é completamente infundada. Pode ser sim, mas o que estou relatando aqui foi o que senti no momento e esse episódio.

Sobre Monique Evans e Heroína:

Tem muita gente que acredita que a canção [“Décadence avec élégance”] tenha sido feita para a Monique Evans [até então sua namorada] e, pela enésima vez, juro de pé junto que não foi. Jamais faria uma canção com aquele teor para uma pessoa que amei de verdade e por quem tenho o maior respeito. Na verdade, eu já estava separado dela quando uma outra namorada minha me flagrou com uma tampa de Minalba cheia de heroína e me passou uma tremenda esculhambação, que aquela situação não poderia ser mais deplorável, decadente etc. e tal. Aquilo mexeu com meus brios, me envergonhei sinceramente daquela cena caricatural e acabei jogando a tampinha de Minalba cheia de heroína dentro da privada para nunca mais consumir aquela droga.

Sobre Elza Soares:

No dia seguinte, Elza chega direto do enterro do filho, adentrando o estúdio para o assombro de todos nós (...) O clima era de uma tristeza inexprimível, até que, de repente, a música começa a tocar (sem a minha voz), e a voz de Elza rasga o estúdio. Tenho certeza de que aquele momento foi a coisa mais emocionante e comovente que uma expressão musical já me causara e me causará.

Sobre Cazuza:

Cazuza está pele e osso, quase sem voz e roxo, inteiramente roxo, devido às doses cavalares de AZT. Ver um amigo assim, confesso a vocês, não é uma coisa fácil (...) Ele queria fumar maconha e cuspia na bagana e me obrigava a fumar aquela coisa toda babada, dizendo: “Não vai fumar? Vai fi car todo cagadinho aí com medo de pegar Aids da minha baba?” E eu respondia algo pior: “Me dá essa porra aqui, sua bichinha traiçoeira!” (e fumava, mas morrendo de medo).

Sobre Chico Buarque:

Chico, além da notória autoridade em perscrutar e cantar a alma do pobre fictício e do malandro alegórico na área da música de crítica-social, também se especializaria em psicografar os dilemas e dramas femininos da mulher brasileira balzaquiana carente de classe média-alta e em breve faria dupla com Gilberto Gil, gravando a autocomiserada, enfadonha e canastrã “Cálice”. Lembro da minha sensação quando ouvi “Cálice” pela primeira vez: tive vontade de vomitar.

E nosso Chico Buarque é, nada mais, nada menos, que a encarnação, a síntese dessa paumolenguice.

Sobre a Revista Bizz:

O que poderia ser pior é percebermos uma imprensa especializada em rock se firmando no mercado, pegando o vácuo da prosperidade, fruto das penosas conquistas daquela geração, e desenvolvendo o mote iniciado no Rock In Rio: por um lado, promover o enaltecimento vívido e explícito do rock internacional e do outro, primar pelo achincalhamento, a ridicularização da cena nacional, poupando apenas um seleto grupo de escolhidos, sabe-se lá por qual critério (...) Nascia do ventre da Editora Abril, a revista Bizz, uma espécie de coveira dos anos 80 e de si mesma pois, de tanto vaticinar a morte do rock, recebeu como herança de sua arrogância e rancor a terrível sina de morrer, morrer e morrer através dos anos.

O trecho acima foi retirado da publicação do whiplash


0 comentários:

Postar um comentário

Dave Mustaine: As vezes falta humildade mas ainda é sensato



Dave Mustaine já perdeu a humildade muitas vezes em sua carreia. Em tempos de mídia sensacionalista que visa 'likes'  e 'views' duas falas desse ícone do metal, essa semana, geraram bastante polêmica, uma sobre o Grammy e outra sobre o Rock and Roll Hall of Fame.

Sobre o Rock and Roll Hall of Fame ele disparou sobre uma eventual indicação:

"Se eles não me querem lá, ok. Eu estou lá por causa do METALLICA, e não importa o que digam ou que alguém ache de sua cerimônia de indução, eles não estariam lá se não fosse por eu estar na banda, porque eu estava lá no começo, então tenho certa satisfação." 

Se já não bastasse se achar responsável pelo sucesso do Metallica ele ainda menosprezou a participação de seus atuais colegas de trabalho no prêmio recente do Grammy:  

"Por mais louco que eu seja, estive pensando sobre o Grammy outro dia e como o prêmio foi oferecido ao Megadeth. Estava pensando que seria bem melhor se fosse dado a Dave Mustaine e não ao Megadeth. Acho que a chama deve seguir acesa"

Bem...ai fica para cada um interpretar se ele esta sendo sensato ou louco, ou megalomaníaco (provavelmente sim), torço para que ele não desmereça seus companheiros. Outra declaração dessa semana e bem legal por sinal foi dada em uma outra entrevista por Mustaine essa semana onde ele fala das bandas mais modernas (Meshuggah / Tesseract) que estão excursionando nesse momento com o Megadeth, fiquei até surpreso com essa turnê e isso mostra que o velho Mustaine esta bem antenado no que rola de inovador na musica.   

"Eles são realmente incríveis. Não digo isso só porque a bateria da banda é tão complexa (na verdade o tempo é 4/4 na maior parte) mas, do jeito como as músicas são e como elas são únicas, eles assumem uma identidade própria. Você consegue se perder na música deles pela complexidade, eles chamam isso de que? Álgebra mental será? rsrs."
"As coisas que eu cresci escutando (New Wave of British Heavy Metal) são diferentes, tipo AC/DC. Também JUDAS PRIEST, IRON MAIDEN, até coisas mais pesadas como MOTORHEAD, DIAMOND HEAD, tudo muito diferente deles. Então, ter uma turnê como essa atual (Megadeth, Meshuggah, Tesseract, Lillake), onde temos esses jovens ao nosso lado é realmente empolgante, porque estou vendo coisas que talvez eu nunca conheceria, só se visse em alguma loja de discos talvez. Isso abriu minha mente. Lembro de uma vez que eu escutei uma banda chamada The Dillinger Escape Plan. Não consegui entender, mas sabia que eram bons. Tem alguns materiais que você não entende mas que te fazem viajar. Eu queria entender, então nós os levamos para a Gigantour. Foi uma ótima experiência, ví que eles eram fantásticos. Foi aí que comecei com a minha experiência de conhecer essas bandas com esse material mais 'louco' digamos."

0 comentários:

Postar um comentário

Bloodclot: Nova banda com ex-membros do Queens of the Stone Age e membros do Cro-Mags




O Bloodclot é a agradável surpresa de 2017, nova banda de Hardcore Punk formada por ex-membros do Queens of The Stone Age (Joey Castillo e Nick Oliveri) e membros do Cro-Mags (John Joseph e Todd Youth). Estes quatro músicos renomados se juntaram quando o guitarrista do Cro-Mags AJ Novello não pôde tocar uma noite e John Joseph chamou Todd Youth para substituir o parceiro de banda naquele show. Os dois retomaram a amizade e gostaram tanto de tocar juntos novamente que decidiram reformar o Bloodclot (cujas origens datam da turnê de 1981 do Bad Brains). Todd começou o processo de composição e logo após Joey Castillo e Nick Oliveri foram recrutados para se juntar a banda. Com a nova formação e musicas prontas a banda assinou um contrato com a Metal Blade Records. O disco deles sai ainda esse ano, mas não tem uma data definida. 

John Joseph (Cro-Mags) – Vocals
Todd Youth (ex-Danzig) – Guitars
Nick Oliveri (ex-Queens of the Stone Age) – Bass
Joey Castillo (ex-Queens of the Stone Age, ex-Danzig) – Drums



0 comentários:

Postar um comentário

Fantômas faz primeiro show após 09 anos sem tocar nos Estados Unidos



O Fantômas um dos vários projetos idealizados por Mike Patton volta a tocar nos Estados Unidos após 09 anos sem tocar no país. A banda tocou em San Bernardino abrindo o show do Tool juntamente com o Primus e o Clutch. Na banda além dos parceiros convencionais Buzz Osboyurne (Melvins) e Trevor Dunn (Mr Bungle), Dale Crover (Melvins) substitui Dave Lombardo parceiro de Patton agora também no Dead Cross. 

Se foi apenas uma única apresentação ou se Patton pretende reativar esse projeto não sabemos. Segundo o que foi reportado nos sites que divulgaram o evento a banda teve vários problemas com o som durante a apresentação e o repertório foi todo focado no Director's Cut








0 comentários:

Postar um comentário

Dead Cross: o que podemos esperar desse projeto com Patton e Lombardo (vídeo oficial)


DEAD CROSS o novo projeto de Dave Lombardo (ex-Slayer, Suicidal Tendencies, Misfitis), com Mike Patton (Faith no More), o guitarrista Mike Crain (Retox) e o baixista Justin Pearson (The Locust) lançará seu álbum de estreia dia 4 de Agosto pela Ipecac Recordings. O projeto foi produzido por Ross Robinson que já trabalhou com Korn, Deftones, Sepultura, Limp Bizkit, dentre outros e foi masterizado no estúdio Golden Mastering em Ventura, Califórnia. 

Mas o que podemos esperar desse novo projeto?. A produção tem a cara das gravações feitas no estúdio de Ross Robinson (vide Sepultura - Mediator), um som orgânico, sem super produção, mas eficiente. O vocal foi gravado meses depois que a banda gravou o instrumental no home estúdio de Patton, onde além do vocal o vocalista adicionou alguns efeitos sonoros.  

Apesar de não trazer surpresas as musicas divulgadas até o momento são boas, rápidas e viscerais com uma pegada punk/hardcore. Já estão em pré-venda kits com camisetas e LPs vermelhos e dourados, mas um dos pontos negativos é que o novo projeto chega com pouco tempo de disco, serão apenas 28 minutos de musica espalhados em 10 faixas.   

Sobre o futuro desse projeto, ele é totalmente incerto, a banda nem sabia se Patton estava interessado em tocar ao vivo, mas parece que ele curtiu o resultado final do trabalho, resolveu fazer alguns shows e uma turnê foi marcada para Agosto e Setembro. Além de tocar o disco na íntegra a banda esta trabalhando em mais algumas musicas para completar o tempo de show e conseguir tocar pelo menos 40 minutos de musica ao vivo. 

Ouça abaixo Grave Slave, primeira musica divulgada e veja o clipe oficial de Seizure and Desist:   




Em entrevista para o programa de rádio Klos, apresentado pela da Full metal Jackie, Lombardo falou um pouco como foi trabalhar com Patton e sobre o álbum 

"bem, nós realmente não trabalhamos juntos, exceto por e-mails. [Risos], o que a gente fez foi … nós já tínhamos todas as musicas gravadas... Nós gravamos tudo no começo do ano passado, e então, claro, surgiu a necessidade de encontrar um novo vocalista. Então, nós realmente não trabalhamos juntos. Nós só enviamos as músicas para o Patton e ele gravou os vocais  sozinho. Mas trocamos vários e-mails— houve muita comunicação."

"Sim. Estou muito empolgado. Eu não se isso ia rolar. Nós não sabíamos se haveria alguma turnê, se seria apenas um álbum, mas não, Mike esta realmente empolgado." 

O baixista Justin Pearson também falou com o site Faith No More Followers sobre a entrada de Patton: 

"É difícil explicar. A banda ainda esta tentando se achar. Independente de quem você trás para a banda, o som se modela de acordo com quem faz parte dela. Vamos voltar a essa pergunta quando o álbum sair, depois de alguns shows com o novo lineup e depois disso poderemos refletir de novo sobre isso."

"Ross é uma das pessoas mais maravilhosas com quem já trabalhei. Sou muito grato pelo seu envolvimento nas coisas que consegui fazer com ele. Ele certamente me ajudou a abriu meus olhos e mente sobre várias coisas, na musica e for a da musica. E os aspectos fora da musica são tão importantes quanto a musica. No entanto, ele não gravou o Patton. A musica foi gravida e produzida com o Ross quando estávamos trabalhando com o Gabe. Quando Gabe saiu da banda, houve uma troca e então, Patton gravou seus vocais por conta própria."




0 comentários:

Postar um comentário

Dica MPM: Alcest e o Post Rock Francês


Formada em Avinhão na França, a banda começou suas atividades em 2000 como projeto solo black metal de Neige, mais tarde se tornou um trio e hoje possui um som mais voltado para o post rock.

Membros Atuais

Neige - Vocal, Guitarra, Teclado (2000 – Presente), Baixo (2001 – Presente), Bateria (2007)
Winterhalter - Bateria e Percussão (2009 – Presente)

Discografia

Álbuns de estúdio

2007 - Souvenirs d'un autre monde


2010 - Écailles de Lune



2012 - Les Voyages De L'Âme



2014 - Shelter



2016 - Kodama




EP’s


2005 - Le Secret


2011 - Le Secret "Re-release"



Demos


1999 - Tristesse Hivernale

0 comentários:

Postar um comentário

Queens of the Stone Age: Ouça a nova 'The Way You Used to Do'


O Queens of the Stone Age, divulgou essa semana que seu novo álbum se chamará Villains e soltou agora a primeira música de divulgação desse álbum. O interessante que a musica é mais animada e pra cima (up beat) diferente do último disco da banda. Como será o pessoal vai reagir a essa mudança?.


0 comentários:

Postar um comentário

Novo single do SETI fala sobre relacionamentos sutilmente machistas


















Foto: Marcos Bacon | ZEBRAA

O S.E.T.I (Search for Extraterrestrial Intelligence) vem claramente se firmando como um dos trabalhos mais prolíficos e atuantes do interior paulista (Campinas/SP). Formado por Roberta Artiolli (vocal e sintetizadores) e Bruno Romani (guitarra, baixo, e programações) eles foram um dos vencedores do concurso cultural Original's Studio da @levisbrasil, participando desse projeto junto a: Ema Stoned, Corona Kings, Modulares e vários outros. "O Ilusionista" traz um tema sério como a banda mesmo esclareceu nas redes sociais:

"Parece zelo, parece preocupação, parece cuidado mas na verdade é opressão da mulher em todas as suas particularidades. "O Ilusionista" aponta para o machismo velado que "caras de bem" praticam o tempo todo."



Roberta trocou uma palavrinha rápida com a gente, sobre o lançamento do novo single, que fará parte do seu primeiro álbum full: 

“A música fala de machismo velado. Eu sou mulher e, como todas as outras, passo por diversas situações irritantes e constrangedoras todos os dias. No entanto, não tenho um relacionamento abusivo, na qual o machismo vem da pessoa que dispõe de maior intimidade comigo. Mas vejo muito isso acontecer ao meu redor e noto que quem recebe às vezes não percebe. Resolvi externar nessa letra a falsa preocupação que muitos caras demonstram ter com suas parceiras, parecendo sempre que eles estão as protegendo e "falando para o bem", mas na verdade tentam incutir nelas que elas não podem, que elas não deveriam, que elas não são. Errado, amigo.

Esse é o primeiro single do álbum que estamos trabalhando. Deve sair no segundo semestre desse ano. Vai ser o primeiro disco "cheio" com 10 músicas. E já dá um gosto do que vem pela frente: mais rock, mais eletrônico, buscando o equilíbrio em extremos”


Gravado, mixado e masterizado por Alexandre Pereira no Zastrás Áudio em março de 2017, produzido por Alexandre Pereira, com co-produção do próprio SETI, "O Ilusionista" foi lançado com exclusividade pelo DEEZER. A banda disponibilizou o trabalho para audição, e pode ser conferido logo abaixo:

Por: Thico Soares

0 comentários:

Postar um comentário

Pequi Alternativo: Caio Bastos e a nova MPB contemporânea


Caio Bastos nasceu em Januária/MG. É filho de escritor, de poeta, de quem muito herdou em sensibilidade e influência artística. Seu pai, Vicente Bastos, já publicou dois livros de poesia, algumas das quais inclusive foram musicadas por Caio, que pretende um dia gravar um disco com as letras do pai. Aprendeu a tocar violão na adolescência, quando também começou a compor suas primeiras músicas. E tem composto desde então. Se descobriu músico já na faculdade, em Montes Claros, quando trancou o curso que fazia e passou a estudar e conhecer música, entrou pro curso de violão técnico no Conservatório Lorenzo Fernandes, passou a compor ainda mais e a se apresentar. Hoje toca na banda O Cabaret, juntamente com outros músicos de Montes Claros e, paralelamente, está trabalhando na gravação de seu primeiro disco, autoral, que pretende lançar ainda esse ano.

Essa é uma de suas músicas que além de um toque sensual é ao mesmo tempo melancólico e delicado. Com melodias sutis ele possui um som único e estilo marcante:

Por Pequi Alternativo

1 comentários:

Postar um comentário

Pequi Alternativo: Quita volta a sua formação original


Créditos: Fred Olveira
Depois de ter ficado 3 anos parada, Quita volta a sua formação original. Os integrantes Jaípi, Zelão, Jhonathan Lopes e Juan Oliveira, estão começando novos trabalhos. E o grupo não para, a banda irá lançar novos singles que serão apresentados em agosto. A formação que começou em 2011, hoje toma forma em Montes Claros e vem representando muito bem o cenário grunge da região.

Confira o trabalho da banda no vídeo abaixo:
 Por Pequi Alternativo

0 comentários:

Postar um comentário

Pequi Alternativo: LB Shalom, Rap, Hip Hop e o Urretada Records



Como todos já sabem, fazer Rap ou Hip Hop não é fácil, é necessário conhecer o que se fala e é muito mais bonito e contagiante quando aquele que faz o som, tem a vivência daquilo que diz. Juarez Gonçalves , também conhecido como LB Shalom.

Nasceu em BH e veio morar em Montes Claros desde a infância. Um MC que nasceu da própria quebrada hoje faz um som para ela, começou sendo B-boy no Cras do seu bairro, dançava todo sábado nas batalhas da escola, o tempo passou, o menino cresceu, e como tudo de bom que vem do coração deve ser feito ele seguiu com seu caminho no Rap e vem fazendo um excelentíssimo trabalho representando os que moram no seu bairro.

Hoje juntamente com seu amigo Ramon Rodrigues são fundadores do selo Urretada Records e em seu perfil pessoal usa os beats para arrecadar verba e estruturar um projeto que possa atender outros músicos da cidade.

De subgênero lo fi, seus beats possuem agitação e calmaria num só ritmo, coisa de quem viveu na quebrada e sabe que do mesmo modo que a vida pode ser dura a gente sempre tem que caminhar ao lado da paz e do amor, e pode ter certeza que seus trabalhos estão repletos disso.



0 comentários:

Postar um comentário

The Brisantinos: data de lançamento de novo álbum, capa e clipe oficial da faixa 'faces'



Os Brisantinos, de São José do Rio Preto, anunciaram o dia 17/06 próximo como a data de lançamento de seu primeiro álbum. a capa pode ser vista acima e a banda liberou o vídeo oficial da faixa Faces que pode ser vista abaixo. O álbum será lançado em formato digital e o show de lançamento será no mesmo dia 17 no Soulbrado Espiral em São José do Rio Preto.

A banda Brisantinos começou suas atividades em 2011 em São Carlos e em busca de maiores oportunidades se mudou para São José do Rio Rio Preto.

mais informações Aqui




0 comentários:

Postar um comentário

Puta Volcano | "Harmony of Spheres" review














Que grata surpresa esse terceiro álbum do Puta Volcano, banda grega vinda da cidade de Atenas. Oriundos de um dos maiores centros artísticos, culturais e seu histórico ligado à filosofia, esses atenienses realmente me impactaram com um disco muito poderoso e relevante.

A origem do seu nome é uma referencia metafórica ao vulcão “Putana”, que se encontra na fronteira da Bolívia com o Chile e que é altamente ativo, mantendo constantes erupções.
Já o titulo do álbum remete a teoria desenvolvida e difundida por um dos seus mais ilustres conterrâneos, Pitágoras. Dizem que Pitágoras era capaz de escutar a música emanada dos planetas, através das suas órbitas pelos doze signos do Zodíaco em diferentes escalas. A matemática musical teria surgido daí. Sete tons principais que se compõe em doze sons musicais. Com a teoria da harmonia das esferas, Pitágoras tentou explicar a posição e o movimento dos planetas no céu, usando termos musicais. Assim a banda construiu um tema em volta dessa ideia, uma viajem intergalática para mundos imaginários refletindo a vida pessoal.

Na capa vemos uma coruja, o observador-viajante pelo deserto, sobrevoando destinos desconhecidos. Esse caminho que se vê na ilustração seria a música.
Em seu lançamento anterior, o Puta Volcano já mostrava parcial amadurecimento, "The Sun" (2015) traz faixas marcantes como: "Raindance/Indigos and Vulgars", "Fou", "Rockability", "The Sun". Aqui em Harmony of Spheres, nós vemos uma banda claramente amadurecida e com uma produção bastante acertada. É um disco bem consciente, onde a banda faz apostas maiores para atingir resultados naturalmente maiores!
O disco abre com a deliciosa “Dune”, isso sim são guitarras marcantes, tem uma levada rapidamente assimilada e um refrão extremamente climático como eu não escuto uma banda fazer a um bom tempo. Não bastasse isso tem ótima letra, as linhas vocais transmitem densidade, em um clima de transe. Há elementos psicodélicos aqui e ali percorrendo o álbum.


Em “Bird” nós já percebemos algumas harmonias vocais como aquelas famosas dobras vocais do AIC. Harmonias vocais bastante sombrias, dando uma atmosfera bem dramática, impossível não lembrar do Alice in Chains aqui. Em uma parte da letra, Luna canta “Days die young in outer space I drift high up/high fly”. Aqui ela mostra seu poderio vocal terminando numa interpretação mais rasgada com drives muito bem controlados.
Jovian Winds” é um som assombroso, pesado e mais iluminado. Ótimo timbre de guitarra, vocais maravilhosos, refrão que não te larga nunca mais: “It's your hands that hold us when we stumble and fall. It's your voice that tells us jokes when everything's wrong”. Eu realmente tenho que dizer que esse disco foi feito de um trabalho vocal como não encontro na maioria das bandas de stoner rock atualmente. Esse é um mérito inegável! Não é a toa que eu bato nessa tecla tantas vezes.
As composições desse disco são um destaque a parte, e o ótimo trabalho de bateria também merece ser lembrado. As dinâmicas de bateria realmente me lembram os melhores bateristas do gênero, nota por nota há um trabalho percussivo muito bem estruturado!

Em “Zeroth Law” Temos um som mais groove. Vocais, vocais, vocais... sempre formidáveis. Os detalhes dos arranjos de baixo aqui dão toda beleza a esse som, e uma guitarra que soa tão bem!
Quanto ao refrão, de longe um dos mais incríveis do álbum, é um dos pontos altos do trabalho lírico, eu realmente me afeiçoei a ela:

Hey 
Stack your gold and hide away
Clench your fist and hit

Away
Solitude's a hair away
You're the needle in the 
Hay

Probably will end the same
Wiser men have tried and 
Failed”


Neon” provavelmente poem o Puta Volcano num contexto de rock mais atual, com riffs de guitarra mais ligados ao som dessa geração, já que o tempo todo lembramos de referencias 90’s. É preciso dizer, ótimo som!!!
Moebius”, a bateria aqui se estabelece como um dos elementos mais fortes, impondo uma visão rítmica ótima para quem gosta de sair do “mais do mesmo”. É uma música bem pesada com vocal bastante potente. Aqui se encontra minha linha de bateria preferida. Fluida e bastante intuitiva.
Afterglow” também traz um trampo de bateria bem empolgante com lindas ghost notes e dinâmicas diferentes. Fiquei até confuso agora qual minha faixa favorita em termos de bateria... realmente, complicou!
Aqui nós temos um dos poucos solos de guitarra do álbum, mas tudo bem medido e de muito bom gosto!!!

Por fim temos “Infinite” uma faixa com guitarras mais sintonizadas com o rock moderno. Particularmente já considero esse disco um dos destaques de 2017, por ser um álbum onde não existe necessidade de pular faixas, é um disco com faixas realmente fortes.
O disco foi lançado em vinil, CD, e também no formato digital.
Vale super a pena ser conferido!



Membros:
Luna Stoner (Anna Papathanasiou)
Alex Pi
Bookies
Steven Stefanidis

Produzido por: Johnny Tercu e Puta Volcano
Gravado e mixado no Unreal Studios por Alex Ketenjian
Masterizado no Fascination Street Studios por Jens Bogren
Capa e layout por Katerina Karali
Ano: 2017
Gênero: Grunge/Alt. Rock/Stoner

Tracklist
Dune
Bird
Jovian Winds
Zeroth Law
Neon
Moebius
Afterglow
Infinity

Por: Thico Soares

0 comentários:

Postar um comentário

Megadeth: cover bizarro de Outshined do Soundgarden em homenagem a Chris Cornell (vídeo)


Megadeth esta em turnê pelo Japão e no show de hoje tentou fazer uma homenagem a Chris Cornell que não acabou nada bem, primeiro a platéia começa a gritar um monte de asneira enquanto Dave Mustaine tenta falar algumas palavras sobre Chris Cornell, mas tem que parar para chamar um membro da plateia de idiota e mandar que o resto cale a boca para conseguir finalizar. E pra acabar a versão improvisada de Outshined saiu, digamos que, vergonhosa. 


0 comentários:

Postar um comentário

Honeymoon Disease: Electric Eel (Vídeo)



O Honeymoon Disease acaba de lançar seu mais novo single "Electric Eel", prensado num belo vinil 7 polegadas.
Se você não conhece o Honeymoon confira o review que fizemos do seu álbum de estreia, "The Transcendence" de 2015 (a propósito, a produção ficou a cargo de Nicke Andersson das bandas Hellacopters, Imperal State Electric e Death Breath). Aqui
O single ainda recebeu um vídeo produzido por Max Ljungberg. A banda promete novo lançamento nos próximos meses.
Confira o vídeo na sequencia:



0 comentários:

Postar um comentário

Acontece o Grito Rock em Montes Claros


No próximo sábado (06 de maio) ocorrerá a partir das 15:00 na cidade de Montes Claros o Grito Rock, chegando na sua sexta edição na cidade. O evento é organizado pelo coletivo A Invasão.

O evento contará com a presença de bandas da cidade como Mentira, Desert Grass, Animal Core e Pedro Tommaso e os Tordesilhas; além da participação de bandas de outras localidades, como a Elizia de Belo Horizonte (MG) e Garatujos de São Luís (MA).

Detalhe, o evento será realizado na praça Dr. Carlos no centro da cidade além de ser gratuito.
Confira as bandas:

Garatujos:



Elizia:



Mentira:



Desert Grass:



Animal Core:



Pedro Tommaso e os Tordesilhas:


0 comentários:

Postar um comentário

Zakk Sabbath: Saiba os detalhes do EP e assista o vídeo oficial de War Pigs



Zakk Sabbath, a banda cover do Black Sabbath do guitarrista Zakk Wylde esta prestes a lançar o seu primeiro EP o "Live In Detroit". Além do guitarrista a banda é composta pelo baixista Rob "Blasko" Nicholson (Ozzy Osbourne, Rob Zombie) e pelo baterista Joey Castillo (Danzig, Queens of the stone age, Bl'ast!).

Para divulgar esse EP a banda liberou o vídeo oficial de War Pigs. O EP será lançado em vinil com várias cores variantes e será prensado apenas uma vez

"Live In Detroit" track listing:

Side A
01. War Pigs (13:25)

Side B
02. Supernaut (4:57)
03. Fairies Wear Boots (7:33)








0 comentários:

Postar um comentário

Korn: Filho de Robert Trujillo estreia com a banda na Colômbia (videos)


Tye Trujillo, filho de Robert Trujillo, estreou na Colômbia com o Korn, a banda tem apresentações em São Paulo no Espaço das Américas no dia 19 de abril, em Curitiba no Live Curitiba no dia 21 de abril, e em Porto Alegre no Pepsi on Stage no dia 23 de abril


Uma publicação compartilhada por Korn (@korn_official) em



0 comentários:

Postar um comentário